Chegamos a terceira parte do nosso guia de cervejas. Nos artigos anteriores falamos um pouco sobre a iniciação cervejeira, quais rótulos são “obrigatórios” para qualquer iniciante e algumas das coisas que devem ser levadas em consideração quando se está aprendendo.

[tab name=”Veja Também”] Parte 1Parte 2Parte 3Parte 4Parte 5Parte 6

[/tab][end_tabset]

Agora, vamos começar a tratar as dicas para os iniciados, ou cervejeiros “intermediários”. Podemos dizer que um cervejeiro iniciado é alguém que já tem um leque mais amplo de experiências e já consegue diferenciar e qualificar melhor uma cerveja. O cervejeiro intermediário já possui em seu cartel ao menos 30 a 50 cervejas diferentes e já se acostumou com as características diferentes de uma cerveja de qualidade.

A ideia agora é fazer com que aumentemos a complexidade e variedade das cervejas que você vá experimentar e trabalhe melhor sua capacidade de degustação, fazendo com que suas experiências de degustação sejam mais bem aproveitadas, até porque a qualidade do que se está bebendo é muito superior.

Antes de indicarmos as brejas para iniciados, vamos dar mais algumas dicas:

[tab name=”Copos”]

O copo onde a breja é bebida conta, e deve ser de acordo com seu estilo. Não é preciso ter todos os copos existentes, mas é essencial possuir copos suficientes para os estilos que você vai provar. Meu conselho é que você compre uma taça de vinhos média de 400-500ml, que é um coringa das taças e atende a quase todos os estilos. Além disso, um copo weizen se você é fã de brejas de trigo e um shaker (conhecido como caldereta) se você se encantou com as lupuladas e brejas mais leves. As demais, você compra com o tempo.


[/tab]

[tab name=”Temperatura”] Comece a se acostumar com a temperatura de degustação. No começo é realmente complicado beber a cerveja sem estar estupidamente gelada, mas é essencial para ter maior proveito do que a cerveja tem a oferecer o consumo em uma temperatura mais amena, de acordo com seu estilo. Você vai perceber que a cerveja terá elementos que antes você não identificava, por ela estar muito gelada.[/tab]

[tab name=”Não tenha vergonha”]Se você está em alguma loja especializada, não tenha vergonha em perguntar ao dono, vendedor ou outro comprador sobre uma indicação. Pergunte o que ele recomenda e porque, e experimente as novidades. Mais pra frente, você vai perceber que você mesmo terá a iniciativa de auxiliar outras pessoas, iniciantes ou iniciadas.[/tab]

[/tab]
[end_tabset]

Com essas dicas dadas, vamos a cinco indicações para você. Essas cinco indicações são cervejas muito populares entre os cervejeiros e são apontadas como exemplos clássicos em seus estilos:

Guia de Cervejas – Intermediário

[tab name=”Belgian Tripel”]

Tripel Karmeliet

País: Bélgica

Estilo: Belgian Tripel

Preço de Mercado: R$ 17,00-22,00

Por que ela?

Essa é uma cerveja clássica e muito gostosa. A Karmeliet é um ótimo exemplo das cervejas claras, fortes e frutadas. Essa belga tem ótimo aroma, que lembra frutas amarelas, tem conjunto muito forte e complexo, com muita personalidade. Tem um ótimo corpo e final bem doce. Vale a pena provar esse símbolo cervejeiro belga.

[/tab]

[tab name=”Belgian Dark Strong Ale”]

Chimay Blue

País: Bélgica

Estilo: Belgian Dark Strong Ale

Preço de mercado: R$ 18,00 a 26,00

Por que ela?

Essa é uma das cervejas chamadas “trapistas”. Essas cervejas recebem essa alcunha por serem produzidas em mosteiros da ordem trapista, que tem produção caseira e seguindo antigas receitas. Essa cerveja é um ótimo exemplo dessa cervejaria, com muita complexidade de aromas e sabores. Muito forte e com personalidade única, parece estar viva no copo. Hoje pode ser encontrada em alguns hipermercados a preços muito vantajosos.
[/tab][tab name=”Belgian Golden Strong Ale”]

Duvel

País: Bélgica

Estilo: Belgian Golden Strong Ale

Preço de Mercado: R$ 14,00 a 18,00

Por que ela?

Mais um exemplo de ótima cerveja belga, com muita força e personalidade. Dourada e com ótima espuma branca, traz aromas mais florais e frutados. Tem amargor muito bom e conjunto muito equilibrado. Não é tão pesada e alcóolica como outras do estilo, o que garante menos “susto” ao experimentá-la, mesmo para os novatos.

[/tab]
[tab name=” Fruit Lambic”]

Boon Kriek

País: Bélgica

Estilo: Fruit Lambic

Preço de Mercado: R$ 25,00 a 32,00

Por que ela?

Essa cerveja é bem diferente das outras cervejas que você tenha bebido. Isso porque essa é uma cerveja do estilo Lambic, ou seja, a fermentação dela é espontânea. Dessa forma, o sabor dessa breja é mais azedo/ácido. Esse exemplar recebe adição de cereja em sua formulação, durante a fase se fermentação (conhecida como “fase fria”). Essa não é um exemplo de Lambic “pura”, é um blend de lambics novas e envelhecidas e, com a adição frutada, fica mais fácil de ser consumida. Aos que gostarem do estilo, busquem outras com maior complexidade para entendê-lo melhor.

[/tab]

[tab name=”Belgian Golden Strong Ale”]

Delirium Tremens

País: Bélgica

Estilo: Belgian Golden Strong Ale

Preço de Mercado: R$ 17,00 a 22,00

Por que ela?

Outro exemplo de ótima breja clara belga, com muita personalidade. Famosa pelo “elefantinho rosa” que estampa as brejas da cervejaria Huyghe, tem como vantagem que pode ser apreciada on tap (em formato de chopp, “na pressão”) em vários bares aqui no Brasil. Boa presença alcóolica, muito intensa e balanceada. Obrigatória no cartel de qualquer cervejeiro.

[/tab][end_tabset]

No próximo artigo, mais 10 dicas de ótimas cervejas para os iniciados. Até mais!

Cheers!