Encontrar “azamigas” pra tomar uma cerveja tem virado compromisso sério.
A cada dia mais brotam confrarias femininas dedicadas a degustação e conhecimento cervejeiro, fortalecendo os laços entre as meninas do meio cervejeiro.

 

Uma delas é a CONFECE (Confraria Feminina de Cervejas do Brasil), criada em 2007 a primeira confraria feminina do Brasil ostenta 8 longos anos de existência. Criada a partir de um encontro em uma palestra da Cilene Saorin em BH, as 10 confrades constituintes trabalham duro nas horas copo mensalmente e realizam uma grande festa de aniversário todos os anos em Belo Horizonte. A festa da aniversário de CONFECE é incrível, conta com cervejas nacionais e importadas com torneira aberta, ou seja: a vontade. Além disso, tem também comidinhas para agradar a todos os paladares (abençoado seja aquele carrinho de algodão doce que eu me atraquei trezentas vezes na festa) e muita música.

 

confraria feminina

A dedicação a cultura cervejeira da CONFECE resultou em dois rótulos próprios, a cerveja Aurora (uma belgian blond ale feita em parceria com o Pablo Carvalho, cervejeiro e sócio-fundador da Acerva Mineira) e a Conceição (uma Belgian Dark Strong Ale, receita desenvolvida pelo Marco Falcone.).

<

div style=”text-align: justify;”>Outra confraria que se rendeu a produção de cervejas foi a FemAle Carioca, criada em 2008, que conta com três rótulos: a Magarataia (uma Pale ale com adição de gengibre, com 5% de ABV), a Rosas (uma red ale com 6% de ABV e adição de pétalas de rosas, produzida na Confraria do Marquês em Teresópolis) e a India Pale Ale (com 7.4% de ABV).

Googleando nas interwebes encontrei outras confrarias femininas como a Confraria Augusta Viktoria (Porto Alegre) criada em 2012 a confraria faz cervejas próprias também. Segundo a página do facebook, as meninas se encontram mensalmente para conversar e degustar rótulos.
Outra confraria é a Confraria Sophia em Ribeirão Preto que conta com 17 confrades e faz encontros abertos duas vezes ao ano.
foto 2

 

E na sua cidade, tem alguma confraria feminina? E se não existir nenhuma, porque não juntar as amigas e estudar cerveja, não é?

 

Contato das moças:
Augusta Viktoria: Facebook.com/pages/Confraria-Augusta-Viktoria
Sophia: facebook.com/pages/Confraria-Sophia

 

foto3

[tab name=”Sobre a Autora”]

Fernanda Fregonesi

Fernanda-fregonesi-mulher-cerveja

Virginiana com lua em Gêmeos e ascendente em Sagitário.

Amante de coelhos, Sartre, Pumpkin Ales e Barley Wines.
Trabalha forte nas horas/copo desde 2012, quando conseguiu colocar as patas no primeiro copo de cerveja artesanal.
Biomédica habilitada para Microbiologia, Especializada em Microbiologia de Processos cervejeiros pelo Siebel Institute e Mestranda em Biotecnologia Industrial pela Universidade Positivo.
Atualmente tenta conquistar 3 continentes como Evil Mind pelo Yeast Facts, ensinando homebrewers e dando consultorias para cervejarias.
Gasta os dias bebendo, tirando fotos de gatos e cultivando o humor negro nas redes sociais.

[/tab] [end_tabset]