No último dia 06 de junho, fizemos a segunda experiência (oficial) de harmonização de cervejas e pratos de nosso clube, o Brejada (para ver o tópico da harmonização anterior, clique aqui).

Dessa vez, a nossa harmonização teve um tema em específico: queijos!

A ideia era harmonizar 5 pares de cervejas e queijos, e testar algumas opções adicionais com os mesmos elementos. Dessa vez, o número de convidados foi maior, incluindo pessoas que se interessaram pela ideia através do blog.

Nessa degustação tivemos dois focos principais: o primeiro, apresentar para os presentes, cervejas diferentes das usuais. E, principalmente, mostrar que podemos harmonizar os queijos tão bem com as cervejas quanto é feito com os vinhos.

Abaixo, nossas experiências, intenções e impressões minhas e dos que participaram da harmonização:

1ª harmonização

Queijo: Gruyere

Cerveja: Leffe Blond

A intenção dessa harmonização era de ser bem leve, para isso, pegamos um queijo muito saboroso e não muito pesado, combinando com uma cerveja fácil de beber, de dulçor médio, balanceada e muito agradável, a Leffe Blond. Nesse caso, buscamos uma harmonização por equilíbrio, onde ambos os elementos possuem leveza proporcional.

Resultado: Ótima combinação. O sabor do queijo ficou mais acentuado com a harmonização, e as vezes sobressaia ao sabor da cerveja, mas sem atrapalhar o desempenho. O conjunto ficou bem leve, ideal para uma entrada. Aprovação geral!

2ª harmonização

Queijo: Brie


Cerveja: Hoegaarden e Fuller’s London Porter

Nessa harmonização buscamos três variantes com o mesmo queijo como base. Primeiro, o brie harmonizado com a cerveja Hoegaarden, buscando uma harmonização pelos elementos de cremosidade do queijo e do trigo presente nessa witbier, caracterizando um equilíbrio dos elementos principais. Depois, acrescentamos ao queijo geleia de laranja, que trouxe semelhança entre os elementos da laranja contida na cerveja, em forma de raspas durante a maturação. E para finalizar, resolvemos testar o contraste de elementos, com uma cerveja Porter, que possui torrefação alta e sabor puxado no café.

Resultado: A witbier com o brie não teve muito destaque, acabou ficando um conjunto desequilibrado. Não foi aprovado pela maioria. Quando adicionamos a geleia, o conjunto ficou ainda mais desequilibrado, pois o dulçor da geleia comprometeu totalmente a cerveja, deixando-a sem sabor e bem aguada. Quando contrastamos com a Porter, ficou uma impressão meio confusa, mas muito agradável. Em suma, o conjunto do queijo com a geleia ficou excelente, mas não harmonizou muito bem com a Hoegaarden e formou um conjunto razoável com a Fuller’s.

3ª harmonização

Queijo: Gouda

Cerveja: Paulaner Salvator

Na terceira combinação buscamos intensificar os sabores, trazendo uma cerveja com mais potência alcoólica, intensa presença de maltes e dulçor presente com um queijo mais robusto e gorduroso.

Resultado: A melhor combinação da noite! A cerveja é excelente, e o queijo harmonizou perfeitamente. Ambos tiveram o sabor ressaltado pelo conjunto, com belo destaque para os sabores. Foi apontada como a melhor cerveja pela maioria.

4ª harmonização

Queijo: Gorgonzola

Cerveja: Eisenbahn Strong Golden Ale e Wäls Petroleum

Essa combinação seria a mais “potente” da noite, com um gorgonzola alemão de ótima qualidade e essa cerveja nacional com ótimo equilíbrio de amargor e dulçor dos maltes. Buscamos um equilíbrio entre as forças dos elementos, mas principalmente ressaltar o sabor do queijo. A Wäls foi adicionada a degustação como uma “experiência pessoal”, que dividi com os demais que quiseram experimentá-la. A indicação dessa harmonização veio de nosso colega Leonardo, beer sommelier do EAP e autor do blog Cervezando

Resultado: O queijo desagradou a maioria, que não estava acostumada com tamanha “potência”. Apesar disso, a cerveja em si foi aprovada por todos. Aos que, como eu, adoram o gorgonzola, a combinação ficou muito boa, mas acredito que necessitava de um pouco mais de potência alcoólica na cerveja, para melhorar o equilíbrio. Com a Wäls Petroleum foi mais assertivo, o equilíbrio foi ótimo e a combinação muito potente. Em minha opinião, ambas as combinações foram boas, mas extremamente fortes.

5ª harmonização

Queijo: Parmesão

Cerveja: Colorado Indica

Para fechar com chave de ouro, pegamos um ótimo queijo capa preta uruguaio com uma das minhas IPAs favoritas (presença garantida na minha geladeira,rs). Essa combinação era basicamente forte e ao mesmo tempo tranquila, com um queijo bem gorduroso e uma cerveja que traz elementos de amargor para amenizar esse excesso de oleosidade do queijo, e esse também deixa a cerveja mais agradável, ressaltando as notas frutadas.

Resultado: Outra ótima combinação. Todos gostaram da cerveja, que apesar de apresentar um amargor alto diante dos demais exemplares, agradou a todos os participantes. O conjunto atendeu o propósito e ficou muito agradável. Fechamos com chaves de ouro!

Para finalizarmos, alguns pontos interessantes dessa harmonização:

  • Entre uma degustação e outra, era oferecido para os presentes água (com gás e sem gás) e pães, para limpar o paladar. É importante essa administração para que sejam mais bem aproveitadas as sensações de cada conjunto.

  • O número de degustações acabou tornando-se excessivo. Na opinião da maioria, o ideal seriam apenas 3 conjuntos para uma seção. No nosso caso, fizemos 7 comparações.

Nosso saldo final foi bem positivo. Tivemos ótimas combinações e acertamos na maioria dos casos. Atendemos nossos objetivos, e mostramos novas brejas aos presentes e mostramos que podem combinar muito bem com bons queijos. Lembrando que todas as combinações são fáceis de ser feitas, pois tanto as cervejas quanto os queijos são facilmente encontrados em qualquer hipermercado.

Quer participar do Brejada? Envie um e-mail para brejada@brew-master.com e aguarde maiores informações. Lembrando que hoje o Brejada é um grupo fechado e reduzido, mas podemos convidar nossos maiores seguidores para uma noite de ótimas experiências.